21.1.05

Viagem ao fim da noite


Aqui há uns tempos decidi atravessar o centro de Lisboa a pé às cinco da manhã. No fim da noite, o rumor abranda e ficamos a sós com vestígios monolíticos do dia. Instala-se, por entre o silêncio, a ilusão de liberdade. É um desafio para quem, como eu, tem fracas referências filosóficas, ter uma cidade só para si. Tive vontade de partir coisas e abrir portas.

5 Comentários:

At 4:42 da tarde, Blogger jMAC disse...

ganda maluKo!!!

 
At 4:37 da manhã, Blogger jorge disse...

ó silva!
vim cá parar através do hardblog e não foi cedo!
percebo bem essa deriva das cinco da manhã...
à anos que sou adepto desses passeios.
abraço.

 
At 11:08 da manhã, Anonymous Anónimo disse...

A última vez que passeei (confesso que não sozinho) na sua cidade às cinco da manhã, entretive-me (emo-nos?) a trocar os recados para o padeiro, talvez mesmo porque por essa altura Descartes e Kant e Parménides nos ocupassem, aborrecidamente, a cabeça. Os 8 com os 5. Acolá os 10 passaram a 3. Aqui a meia-dúzia transformou-se numa opulenta dúzia inteira. O dia começou revolto pelas ruas por onde passámos como se fôramos anjos e havia mais filosofia naquele gesto infantil do que.

Tawzeeto

 
At 8:07 da tarde, Anonymous Anónimo disse...

... e bem vindo ás pontes da vida é larga!

 
At 10:28 da tarde, Blogger t&v disse...

lisboa é uma cidade cheia. é pena passarmos tantas vezes por ela sem a vermos :)

t&v

 

Enviar um comentário

<< Home