9.2.05

Evolução

Com o passar dos anos, perdemos a paciência. Vamos fazendo uma limpeza étnica em modo trial & error, num processo de eliminação gradual de tudo o que não nos merece. Presumo que imediatamente antes de uma hipotética crise de meia-idade, atingimos a conclusão do extermínio: damos por nós com uma vida saneada, habitável, e apercebemo-nos de uma estranha paz que se instalou na paisagem. A partir daí inicia-se uma suave degradação, uma curva descendente marcada pela aniquilação involuntária de coisas que nos são caras, até que tudo acaba num dia em que acordarmos sem a tenacidade necessária para nos continuarmos a "vestir para ir à rua", mas vamos à rua na mesma.

3 Comentários:

At 10:21 da tarde, Blogger jMAC disse...

ó silva! e a porra é que aos fins de semana vamos sempre à mesma rua. o que vale é que nos não vestimos para ir lá!
vamos nus!
isto saiu um bocado apaneleirado!

 
At 1:53 da manhã, Anonymous Anónimo disse...

Olhe, caro Silva... eu não acrescentaria nada.
E sabe o quão elogioso estou a ser, vindo de mim tal comentário.

Anonymous d'Janja

 
At 6:20 da tarde, Blogger O Silva disse...

jmac: Só nu é que se pode sair à noite. Por muito apaneleirado que isso seja...

d'Janja: Eu também não vou acrescentar o que quer que seja para que o momento seja o mais reverencial possível.

 

Enviar um comentário

<< Home