4.3.05

Lentes

Assim como ninguém conhece um mau médico (excepção feita dos que os outros recomendam), a acreditar no povo, os bons cabrões são eternos. Na praça pública, só os milagrosamente justos podem ser perecíveis. Não sei se fará sentido insultar os mortos, mesmo que por apego à verdade, mas o que é certo é que morrer à frente de um auditório é um derradeiro mecanismo de fuga a uma realidade onde somos miseravelmente humanos. Se a crítica salva da penúria a descendência de artistas banais desaparecidos, os telejornais da TVI podem salvar-nos a todos do Purgatório.

1 Comentários:

At 3:51 da tarde, Blogger FDV disse...

visão pouco míope e quase nada astigmatizada. perspectiva interessante.

[provavelmente, os cabrões utilizam pilhas alcalinas]

cumprimentos.

 

Enviar um comentário

<< Home