6.1.06

Tendência

Tive duas namoradas pelas quais me apaixonei porque me deixavam falar. Uma delas era a típica paixoneta de Verão: pele morena, bonita, com uma voz rouca de sedutora que poucas vezes tive a oportunidade de ouvir. Não tinha nada para me dizer e, talvez por isso, me tenha largado à beira da estrada a meio do Inverno, quando eu próprio já tinha assumido tonalidades mais amareladas. A outra montou a armadilha perfeita: fez-se parecer interessante porque me ouvia, estratagema que me deu bastante mais trabalho, mas que acabou por ruir quando eu finalmente me calei. Não foi à toa que, em criança, andei cinco anos no judo sem passar do cinturão branco. Já nessa altura devia ser evidente que nunca me conseguiria defender de quem usasse o meu peso a seu favor.

5 Comentários:

At 8:39 da tarde, Blogger Su disse...

às vezes é melhor calar...
jocas maradas

 
At 12:29 da manhã, Blogger António A. Antunes disse...

As mulheres serão sempre seres diabólicos.



Todos convidados para uma visita a casa do antunes (sou eu)

 
At 3:08 da manhã, Blogger Francisca disse...

E tudo é igual e será.
Nos namoros até um cinturão negro pode ser mal visto.
E começam sempre as coisas com um ar de novo e, depois vem a descoberta - a que alcançamos - e, mais cedo ou mais tarde, um entra em perda porque o outro entrou noutra ou já não está nessa.
Nem sequer é preciso saber cair. É só não sermos derrubados ou, pelo menos, nunca permitirmos que nos vejam no chão.:))

 
At 7:26 da tarde, Blogger bel-isssima disse...

A determinada altura todos adquirimos tonalidades mais amarelas e vai-se o encanto.
Não é facil encontrar a alma gémea. Aquela que, no teu caso seria reservada ao principio e se transformasse progressivamente :)
um beijo

 
At 11:09 da tarde, Anonymous Giselle Menezes disse...

É uma forma até bonita de ser amado, quando se aproveitam do nosso "peso", acontece com todo mundo, pelo menos nunca serão esquecidos(as), porque conseguem arrebatar nosso ponto fraco para a paixão, nós pobres mortais carentes....

 

Enviar um comentário

<< Home